Rejeição à prótese de silicone: porque ocorre, sintomas e tratamentos

30 de abril de 2019

|

Com o passar dos anos, as técnicas utilizadas em cirurgias plásticas foram aprimoradas e as complicações no pós-operatório tornaram-se cada vez menos comuns, principalmente quando o procedimento é feito por um cirurgião habilitado e com materiais adequados e de qualidade. Mas é claro que o período pós-cirúrgico requer cuidados especiais e atenção total a qualquer sintoma que fuja do normal, para que o procedimento seja de fato um sucesso.

A seguir, entenda uma das principais preocupações deste período, a rejeição à prótese de silicone:

Rejeição à prótese de silicone

Para quem realizou cirurgia de implante de silicone, por exemplo, é importante saber reconhecer os sintomas de rejeição à prótese para evitar complicações graves, como infecções.

A rejeição ao material pode ocorrer logo nos primeiros dias, com vermelhidão local e secreção, simulando uma infecção. Ela é rara atualmente.

Outro tipo de rejeição, que ocorre em longo prazo (em torno de 10 anos) e resulta na maior parte dos casos de troca de prótese, chama-se contratura capsular.

Como detectar a contratura capsular?

Quando o organismo da paciente vê o implante como um corpo estranho, a primeira reação é tentar expulsá-lo e, como não pode, para se defender ele acaba criando uma membrana em volta da prótese, formando uma espécie de cápsula para envolver o objeto e isolá-lo dos tecidos naturais.

A contratura não acontece por erro médico, o único responsável pela rejeição da prótese é o próprio organismo da paciente, que pode apresentar os seguintes sintomas: assimetria dos seios, ondulações na superfície da prótese, endurecimento e inchaço das mamas e dores constantes

O rompimento das próteses é um fator que leva à contratura e à necessidade de troca de implante.

Tratamentos para rejeição à prótese de silicone

Nos casos mais leves, tratamentos simples e não invasivos podem ser a solução, como medicamentos e massagens.

Já quando mais sério, o recomendado é a cirurgia de troca do implante.

As próteses colocadas abaixo do músculo são as que trazem menos risco de contratura, mas a melhor forma de evitar que algum problema ocorra no pós-operatório do implante de silicone é seguir corretamente cada uma das recomendações médicas.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Rafael Werneck

Rafael Werneck

Cirurgião Plástico graduado em medicina pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e com residência em cirurgia plástica na Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM). É membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e faz parte do grupo de estética facial do Hospital São Paulo (HSP), pertencente à Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). CRM 153435