“Menos é mais”: cresce busca por redução de prótese de silicone

31 de julho de 2019

|

Victoria Beckham, Joelma, Pamela Anderson, Xuxa, Tara Reid, Danielle Souza (Mulher Samambaia), Anitta e Gretchen. Elas são apenas algumas das famosas que passaram pela cirurgia cuja frequência não para de aumentar: a da redução das próteses de silicone.

Em 2015, foram realizadas 2.577.810 cirurgias, segundo pesquisa da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps), divulgada em 2016. Só no Brasil foram 358.655 mil intervenções, sendo que 20,24% foram para reduzir o tamanho das próteses de silicone nos seios.

Por que redução de prótese é cada vez mais procurada?

O aumento da realização dessa cirurgia tem como motivo a busca por um resultado mais natural.

Nas mulheres que já têm volume, geralmente é realizada uma “remontagem” das mamas com uma “autoprótese” de glândula mamária. Também há quem queira ficar sem o silicone.

Como é a cirurgia?

Em alguns casos, o procedimento de diminuição acaba deixando sobra de pele e, por isso, é necessário uma mastopexia seguida de troca de próteses. A ideia é remover o excesso de pele e reposicionar o tecido mamário junto à aréola, em uma espécie de lifting, e, na sequência, trocar a prótese por uma menor.

A recuperação é mais lenta em comparação com a cirurgias de implante de silicone, pois requer mais cuidados e repouso mínimo de 20 dias. Os tipos de próteses de silicone mais recomendados são de poliuretano, pois aderem mais à pele e apresentam melhor resultado. Quanto à cicatriz, é discreta.

É essencial que antes de qualquer coisa a paciente se submeta a exames de imagem para checar a posição e o estado das próteses que serão trocadas.

“Menos é mais” nunca fez tão sentido como bandeira da nova tendência, que tem como finalidade ressaltar a beleza natural, dando adeus à moda dos seios turbinados.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Ronaldo Soares

Ronaldo Soares

Formado em Medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), completou dois anos de residência médica em Cirurgia Geral e três anos de Cirurgia Plástica pelo Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo (HSPE/IAMSPE), onde participou de mais de 5 mil cirurgias, de caráter estético, funcional ou reparador. Possui título de especialista em Cirurgia Plástica pela Associação Médica Brasileira e pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, além de ser membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e atende no consultório em Moema, que leva o seu nome. É presença assídua em cursos e congressos nacionais e internacionais. CRM-SP 147265