Peeling de fenol: para que serve, como é feito, resultados e riscos

10 de fevereiro de 2019

|

0O peeling, procedimento realizado desde a antiguidade pelos egípcios e descrito pela primeira vez na Medicina em 1932, consiste na aplicação de substâncias químicas na pele com objetivo de promover remoção seletiva seguida de recuperação e renovação programada de células. Quando utiliza, fenol, recebe o nome de peeling de fenol.

A palavra veem do inglês “to peel”, que significa “descamar e descascar”.

Para que serve?

Suas principais indicações são para o tratamento de manchas, cicatrizes de acne profundas e fotoenvelhecimento intenso.

O peeling pode ser realizado na face ou na área corporal.

É “forte”?

Os peelings são classificados de acordo com a profundidade da penetração do agente, baseada na espessura das camadas cutâneas alcançadas. Eles pode ser superficiais, médios ou profundos.

O peeling de fenol é considerado médio/profundo, dependendo da forma de aplicação, visto que formas mais invasivas podem atingir até a a camada mais profunda da pele.

Resultados

Os resultados apresentados pelo peeling de fenol são a maior promessa e o maior motivo pelo qual o procedimento ficou tão conhecido.

Mesmo sem necessidade de intervenção cirúrgica, este tratamento estético é capaz de rejuvenescer a pele em mais ou menos 10 anos, recuperando a cor, os contornos, o tônus e a luminosidade da pele.

Como é feito?

Preparo

Antes da realização do peeling, o paciente deve se submeter a uma avaliação médica em que são analisados: histórico, grau de exposição ao sol, ocupação profissional, antecedente de herpes, tratamento de isotretinoina oral nos últimos 6 meses, tendência para queloide e hiperpigmentação pós-inflamatória, medicação em uso, comprometimento imunológico, tabagismo e antecedente cardiológico.

É necessário que o paciente tome uma medicação antiviral, pois esse peeling favorece o aparecimento de herpes simples. Além disso, preparar a pele um mês antes do procedimento com cuidados locais prescritos pelo dermatologista.

Aplicação

A aplicação é rápida e o frost (mudança de cor) é imediato. São passadas várias camadas do produto e, então, uma máscara oclusiva, que tem propriedades de calmantes, é colocada sobre a pele.

O peeling é aplicado em áreas chamadas de unidades anatômicas, então espera-se 20 minutos para poder fazer a outra área e assim por diante. Isto porque é em 20 minutos que o fenol é metabolizado.

Recuperação

Após o procedimento, o inchaço começa a regredir após o quinto dia e o peeling cicatriza em torno do 14 dia.

O paciente pode demorar até três meses para recuperar-se e os resultados do tratamento podem demorar até seis meses para aparecer. Após a descamação da pele, ela pode permanecer vermelha por um longo período.

Dói?

O tratamento ainda é muito doloroso e a recuperação é lenta, exigindo afastamento de atividades laborativas por 15 dias e levando até 6 meses para cicatrização completa.

Contraindicação

Cabe ressaltar que o peeling de fenol é um procedimento contraindicado para quem tem doenças cardíacas, renais e hepáticas, além de propensão a cicatrizes queloides.

Riscos

As complicações decorrentes da aplicação do peeling de fenol podem ocorrer durante ou após o procedimento e incluem: toxicidade para o coração, fígado e rim; infecções; manchas (que são, na maioria das vezes, temporárias); e cicatrizes queloides na pele.

Durante o procedimento, o paciente é acompanhado de perto por aparelhos que monitoram o ritmo cardíaco, a fim de impedir qualquer tipo de complicação.

Quem pode fazer?

Esse procedimento só deve ser realizado por médico dermatologista ou cirurgião plástico e em pacientes selecionados com indicação precisa. Hoje, há grande arsenal terapêutico com menos riscos e menor tempo de recuperação.

Cada paciente pode ter um perfil de tratamento adaptado a sua rotina e sua expectativa.

Onde fazer?

Pode ser realizado de forma localizada – por exemplo, ao redor da boca ou nos olhos – no consultório ou abrangente – como em toda face – em regime de internação hospitalar.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Mayara Brito do Nascimento

Mayara Brito do Nascimento

Dra. Mayara Brito do Nascimento é dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Ela ainda é especializada em alopécia, bem como laser e tecnologias. CRM 52964565