Óleo de coco faz mal? Entenda a polêmica

30 de outubro de 2018

|

Muito tem se discutido ultimamente se o óleo de coco faz mal ou bem à saúde. Ainda não há um veredito oficial, mas evidências apontam benefícios desde que haja moderação no consumo. Entenda:

Afinal, óleo de coco faz mal?

Apesar de, por muito anos, a gordura saturada ter sido associada a doenças cardiovasculares, o fato de o óleo de coco possuir alta quantidade de ácidos graxos de cadeia média, como caprílico, láurico e cáprico, faz com que tenha comportamento metabólico distinto. Assim, diversos estudos concordam que esse óleo tem efeitos benéficos para a saúde cardiovascular, desde que consumido em doses moderadas.¹

Em contrapartida, um estudo com ratos comparou o consumo de óleo de soja a uma dieta rica em óleo de coco e descobriu que a associação dos dois é capaz de aumentar obesidade, diabetes e resistência à insulina. Já o consumo do extrato do coco por si só não é capaz de causar aumento excessivo do peso.

Outro ponto benéfico do consumo de óleo de coco é sua ação anti-inflamatória, uma vez que é capaz de diminuir fatores inflamatórios no tecido adiposo.

O óleo de coco também é uma fonte rápida de energia, visto que seus triglicerídeos de cadeia média são rapidamente absorvidos.

Outra evidência diz que a substância melhora a cognição em pessoas que possuem doença de Alzheimer.⁴

Como consumir?

Por sua característica saturada, é uma boa opção para cozinhar, uma vez que não perde suas características mesmo em altas temperaturas, não produzindo compostos tóxicos quando esquentado.

Vale ressaltar que o maior erro que podemos cometer ao debater sobre alimentação é usar um único item como referência. Seres humanos não comem apenas um alimento, portanto o resultado de saúde é obtido a partir de um conjunto de fatores e hábitos. Sendo assim, um mesmo alimento pode ter resultados diferentes para cada pessoa.

Fontes:

¹Óleo de Coco – Milagre para Emagrecer ou Mais um Modismo?
Alessandra Rodrigues – Nutricionista, Mestre em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). abril 2012 – ABESO 56 – 5

²Soybean Oil Is More Obesogenic and Diabetogenic than Coconut Oil and Fructose in Mouse: Potential Role for the Liver.Deol P1, et al, PLoS One. 2015

³Virgin coconut oil is effective to treat metabolic and inflammatory dysfunction induced by high refined carbohydrate-containing-diet in mice. M.C.Zicker, et al. The Journal of Nutritional Biochemistry. September 2018

⁴Aceite de coco: tratamiento alternativo no farmacológico frente a la enfermedad de Alzheimer. Yang. et al, Nutr. Hosp. vol.32 no.6 Madrid dic. 2015

Pure, 2017
Influência do óleo de coco em pacientes com Alzheimer em nível cognitivo. Nutr. Hosp. vol.34 no.2 Madrid Mar./Abr. 2017

Reduction in saturated fat intake for cardiovascular disease. Hooper L, at al. Cochrane Database of Systematic Reviews 2015

Effects of dietary fatty acids and carbohydrates on the ratio of serum total to HDL cholesterol and on serum lipids and apolipoproteins: a meta-analysis of 60 controlled trials  Mensink. et al.The American Journal of Clinical Nutrition, Volume 77, Issue 5, 1 May 2003,

Diets high in palmitic acid (16:0), lauric and myristic acids (12:0 + 14:0), or oleic acid (18:1) do not alter postprandial or fasting plasma homocysteine and inflammatory markers in healthy Malaysian adults  Voon. Et al.   The American Journal of Clinical Nutrition, 2011

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Marília Sussaio

Marília Sussaio

Nutricionista formada pela Universidade Federal do Triangulo Mineiro, pós graduada em Nutrição Clinica Funcional pelo Istitudo Vp, coach de emagrecimento pelo Nutrition Coach. Acredito em uma alimentação baseada em comida de verdade e de fácil aplicação. Tenho experiência em atendimentos em consultório e palestras e sou apaixonada por transformar vidas por meio dos alimentos. CRN3 39892