Menopausa: idade, sintomas, tratamentos e fertilidade

Atualizado em 18 de setembro de 2019

|

Menopausa, tecnicamente, é o nome da última menstruação, a qual ocorre em média aos 48 anos de idade da mulher, embora haja variações. Antes dela, há o período chamado perimenopausa.

Embora seja uma fase natural da vida feminina, ainda gera muitas dúvidas e receios. Continue lendo e entenda-os de uma vez por todas.

O que é menopausa e climatério?

Os períodos de pré-menopausa, menopausa e pós-menopausa são chamados, conjuntamente, de “climatério” e são a fase da vida da mulher que marca o fim da vida reprodutiva.

Qual a idade da menopausa?

A mulher só sabe que entrou em menopausa porque a próxima menstruação não vem por pelo menos um ano, o que ocorre em média aos 48 anos. Todavia, quando ocorre na faixa dos 40 aos 48, é chamada de prematura. Já antes dos 40 anos é chamada de precoce.

Há pacientes que entram na menopausa aos 15 anos de idade, tendo apenas três menstruações na vida. Outras param de menstruar na faixa dos 20 anos de idade.

Então, o primeiro mito a derrubar é o da idade: existe uma programação genética de cada mulher que não é só familiar. Ou seja, não é porque a mãe teve o fim da menopausa em tal faixa etária que a filha também a terá.

O que acontece é que os óvulos se esgotam com o passar dos anos:

  • Aos 15 anos de idade, a mulher tem aproximadamente 400 mil óvulos.
  • Aos 35 anos, há 50 mil óvulos.
  • Aos 37 anos, 25 mil óvulos.
  • Aos 40 anos, 13 mil óvulos.

O esgotamento ocorre progressivamente até acabar, tornando importante a preocupação com a fertilidade.

Quais os sinais e sintomas?

Como o período gera modificações hormonais intensas, há uma série de sintomas – alguns bem conhecidos. Os mais comuns são:

  • Irritabilidade
  • Secura de pele
  • Ressecamento vaginal
  • Desconforto e até dor no sexo

Pode ocorrer também osteoporose devido ao declínio hormonal e descalcificação dos ossos.

Já o clássico calorão merece um capítulo à parte. Ele é muito relatado, já foi medido pela ciência e se assemelha a uma verdadeira labareda que percorre o corpo, modificando em até 4ºC a temperatura dos pés à cabeça em apenas alguns segundos. É um fenômeno neurovegetativo que deve ser tratado.

Quais os tratamentos?

É importante saber que a mulher consegue recuperar boa parte das funções, dependendo do caso, com o tratamento adequado, como a reposição hormonal, que é indicada para quem apresenta sintomas de menopausa mesmo antes de a menstruação parar de descer.

A reposição deve ser feita de maneira séria e adequada para cada corpo, sem copiar a da amiga, afinal, cada organismo é único.

O médico deve avaliar os riscos da reposição para quem tem histórico de câncer de mama, câncer de útero ou alguma outra patologia hormonodependente.

Testosterona também pode ajudar no tratamento dos sintomas do climatério, realizando o mesmo trabalho da progesterona, mas sem os efeitos colaterais, e ajudando na disposição, na força muscular e na libido.

Como fica a fertilidade na menopausa?

Um ponto importante a ser dito: a mulher pode engravidar a qualquer momento. O útero apenas “dorme” na menopausa. Há casos de pacientes que engravidaram aos 54 ou 62 anos. No mundo, a mulher mais velha a engravidar tinha 72 anos de idade.

Homem tem menopausa?

Por fim, o homem tem o seu equivalente à menopausa, chamada de andropausa.

Na feminina, o ovário cessa de produzir óvulos, já na masculina é um pouco diferente. Normalmente, é um período de baixa na produção de testosterona em certos níveis, acarretando perda de libido, distúrbios do sono, perda de pique, problemas com humor e ereção.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Lister Salgueiro

Lister Salgueiro

Médico Andrologista, Ginecologista e especialista em Medicina Reprodutiva, formado pela Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e no Centro de Ciências Médicas e Biológicas de Sorocaba. É diretor clínico e sócio-proprietário da Clínica Fértilis de Medicina Reprodutiva, em Sorocaba (SP) e autor do livro "Andropausa: Reposição Hormonal Masculina", Editora Roca.