Mau hálito e halitose: qual é a diferença e o que fazer?

Atualizado em 19 de julho de 2018

|

Neste primeiro artigo, vou falar de um assunto muito delicado, mas que afeta a vida de todos nós, em maior ou menor grau: o temido mau hálito. A literatura registra que 90% a 95% dos casos são causados no ambiente bucal, principalmente na língua, e cerca de 5% a 10% têm causas sistêmicas.

A seguir, saiba as diferenças de mau hálito e halitose e como tratá-los:

Causas de mau hálito

Locais

O mau hálito é um problema que ocorre a todos. Quando acordamos ou ingerimos um alimento forte como cebola ou alho, um vinhozinho, cerveja, ou aquela aguardente aos fins de semana.

A língua possui diversas papilas gustativas, entre as quais se formam criptas, ou seja, saquinhos que retêm resíduos de alimentos, células epiteliais descamadas e placas bacterianas. Com o tempo, essas sobras começam a fermentar e a liberar odor de enxofre. Essa é, sem dúvida, a principal causa do mau hálito.

Porém, as situações citadas são bem específicas. Basta escovar os dentes e esperar um pouco que o mau hálito passa e tudo se normaliza.

Quem sofre do problema simplesmente não percebe, pois o olfato vai se acostumando. E quem tem de conviver com o mau cheiro não gosta. Então, é necessário que uma pessoa de confiança, com muita delicadeza, avise quem tem este a condição.

Sistêmicas

Também ocorre quando estamos com algum problema de saúde, como gripe e dor de garganta.

Mau hálito x halitose

 

Mulher com mau hálito

Elvira Koneva/Shutterstock

É importante falar sobre a diferença do mau hálito e da halitose. A primeira ocorre de maneira pontual e a segunda é a doença propriamente dita, algo crônico.

A halitose tem de ser diagnosticada pois causa dificuldades de relacionamentos e pode até afetar a pessoa em sua vida produtiva e social.

O que fazer?

O que se sabe é que 90% do problema de halitose vêm mesmo da boca. O que fazer? Tanto em casos de halitose quanto de mau hálito recomendo os bons hábitos de vida, ou seja, ingestão de alimentos saudáveis sempre que possível, prática de atividades físicas, consumo moderado de álcool e higiene bucal, com uma boa escovação.

O mais importante de tudo: as pessoas devem ter o hábito de ir ao dentista. Elas vão ao cabeleireiro, vão deixar o carro para lavar, o cachorro no pet, mas o dentista é negligenciado… Quanto tempo faz que você não não vai ao dentista?

Importância da consulta preventiva

Desenvolvi um protocolo em meu consultório pelo qual cheguei à conclusão científica de que o ideal é fazer uma consulta de prevenção a cada 4 meses.

E por que tão pouco tempo? O que ocorre é a escovação caseira não é de todo eficaz em determinadas regiões da arcada dentária. Além disso, toda lesão e doença é reversível neste prazo. Caso passe disso, as coisas podem se complicar.

Quem visita o dentista com frequência pode até evitar aquele “motorzinho chato”, pois uma cárie no início é muito simples de ser resolvida, assim como o tártaro, que nada mais é que do uma placa bacteriana calcificada.

Evite enxaguantes bucais e chicletes

Sempre me perguntam sobre os enxaguantes bucais. Não recomendo porque eles simplesmente não resolvem o problema, podendo até agravá-lo. Explico: os antissépticos que têm álcool são ruins porque destroem as células da mucosa, que ao se descamarem, podem realmente piorar o odor. Fora isso, a maioria desses produtos têm cor, o que também não é recomendável porque pode manchar os dentes.

Balas e chicletes podem dar a falsa sensação de frescor, mas também não resolvem o incômodo. Aliás, as que contem açúcar não vão contribuir para sua saúde bucal.

Ultrassom de língua

O importante é se cuidar e saber que há muita tecnologia para resolver as causas de mau-hálito.

Sabia que existe até um aparelho que se chama Ultrassom de Língua? Ele quebra as correntes de bactérias que causam o odor, promovendo limpeza muito mais efetiva que a simples raspagem da língua.

Ninguém precisa viver se escondendo com mau hálito e halitose. Procure um profissional de confiança.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Dr. Marasca

Dr. Marasca

O Cirurgião-Dentista José Milton Barbosa Marasca é formado pela Faculdade de Odontologia da UNESP e desde 1983 atua na cidade de São Paulo. Conquistou uma clientela fiel na área da estética, aliada a saúde bucal, que resultou na criação da clínica Estética Dental.