Gordura marrom queima calorias e evita diabetes. Como aumentá-la?

18 de março de 2019

|

Se engana quem acha que gordura é tudo igual. Além daquele tipo que incômoda esteticamente e aumenta o risco de doenças cardiovasculares, há um capaz de acelerar o metabolismo e diminuir o peso. Sim, existe um tecido adiposo que faz isso: a gordura marrom.

O que gordura marrom?

O tecido adiposo tem espaços que são preenchidos com grandes células compactas e cheias de lipídios (gorduras) que armazenam energia. Ele fica sob a pele e, por isso, protege certas partes do corpo, além de atuar como isolante térmico.

O tecido adiposo marrom em humanos tem a função oposta do comum, denominado gordura branca. Enquanto o segundo armazena energia na forma de triglicerídeos, o marrom queima os triglicerídeos por meio de um processo chamado de termogênese.

A explicação é que a gordura marrom contém muito mais mitocôndrias do que a branca e são elas os “motores”  que torram calorias para produzir calor.

Mudanças com o passar dos anos

No entanto, a atividade do tecido adiposo marrom muda com o tempo: sua quantidade diminui com a idade, além de ser menor em indivíduos com obesidade e com diabetes.

Sendo assim, maneiras de estimular a termogênese na gordura marrom estão sendo buscadas para serem usadas para prevenir ou mesmo tratar obesidade e diabetes.

Portanto, sabemos que a gordura marrom gasta energia e produz calor e está associada ao baixo índice de massa corporal (IMC), baixo conteúdo de tecido adiposo branco total e menor risco de diabetes tipo 2.

Como aumentar gordura marrom?

O tecido adiposo marrom foi determinante para a evolução dos mamíferos, pois sua termogênese aumenta a sobrevivência dos animais recém-nascidos e permite a vida em áreas frias.

Estudos mostraram que com o estímulo de temperaturas mais baixas ocorre aumento na produção de calor da gordura marrom. Além disso, o indivíduo se acostuma a temperaturas mais baixas e tem melhora no controle do açúcar no sangue por meio da insulina.

Além do frio, refeições aumentam a geração de calor no tecido adiposo marrom usando calorimetria indireta em combinação com tomografia computadorizada.

Por fim, o exercício pode estimular os hormônios que ativam a gordura marrom.

Ainda é muito cedo para saber se as propriedades de queima de calorias da gordura marrom podem ser aproveitadas para perda de peso, mas enquanto isso, certifique-se de incluir atividade física em seus planos de controle de peso.

 

Fontes

Din MU, et al. Postprandial oxidative metabolism of human brown fat indicates thermogenesis. Cell Metabolism, 2018; 28 (2): 207.

Halpern B, Mancini MC, Halpern A. Brown adipose tissue: what have we learned since its recent identification in human adults. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2014;58:889-99.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Marcio C. Mancini

Marcio C. Mancini

Médico endocrinologista e diretor da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO). É responsável pelo Grupo de Obesidade e Síndrome Metabólica da Disciplina de Endocrinologia e Metabologia do HC-FMUSP e supervisor do Ambulatório de Obesidade Mórbida e Chefe da Liga de Obesidade Infantil do HC-FMUSP.