Festas de fim de ano e o despertar de sentimentos desagradáveis

Na sociedade contemporânea, festas de fim de ano são sinônimo de família e amigos reunidos, amorosidade e calorosidade que transbordam a todo momento. Dessa forma é natural que nesses momentos do ano venham à tona diversos sentimentos, que por vezes não estamos preparados para lidar, e isso faz com que constantemente nos sintamos inadequados por não vivenciar o espírito natalino de amor, compaixão e caridade que muitos pregam.

Fim de ano e tristeza

Vejo comumente clientes em meu consultório que nessa época sofrem profundas recaídas nas questões que assolam suas existências, sem uma causa ou motivo aparente.

Na verdade, todas as questões existenciais ressurgem com bastante força devido à época de final de ano. Tempo este em que se cultiva a questão de estarmos em família e, em contrapartida, temos aquelas pessoas que não têm família próxima, aquelas em que a família toda morreu e só sobrou ela ou aquelas que não se dão com os parentes ainda vivos.

Temos também a questão da troca de presentes que se cultua no natal e, no contraponto, as pessoas que nem sempre são lembradas. Temos as confraternizações de fim de ano que geralmente são oferecidas pelas empresas, mas aqueles que já estão afastados do trabalho não têm a possibilidade de comparecer.

Amigo secreto então, se torna uma possibilidade remota na vida de quem não tem amigos, seja lá por quais motivos. Enfim, tal época, se por um lado é bastante festejada por muitos, é um período de extrema solidão e tristeza por outros pois, estes além de vivenciarem todos os sentimentos saudosos que invadem suas vidas, sentem-se também inadequados por sentirem tudo isso numa época em que todos “deveriam” estar felizes.

Fique atento

 

"Ano-novo 2019" escrito na areia.

oatawa/Shutterstock

Há uma cobrança social implícita no “espírito natalino” que geralmente diz que, ao menos nesses dias, temos que esquecer tudo e vivenciar com plenitude uma felicidade que, nestes casos, pode ser ilusória.

É preciso estar atento aos sinais e buscar ajuda se necessário, lembrando sempre que, dividir o fardo não resolverá todos os seus problemas mas, certamente, o fará estar mais leve para celebrar a vida no ano que se finda e, sobretudo, no que se inicia.

Que o natal e o ano-novo te tragam um mar de possibilidades, mas sobretudo, que você as encontre em qualquer época de sua História, pois o melhor presente é a sua existência e, enquanto a chama da vida ainda estiver acesa podemos juntos encontrar um jeito novo de lidar com todos os problemas.

Tenha fé! Boas festas!

 

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Natália Menezes Aguilar Parente

Natália Menezes Aguilar Parente

Psicóloga (CRP 06/92570) graduada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, especialista em Gestalt-terapia pelo Instituto Sedes Sapientiae. Com o olhar voltado exclusivamente para as pessoas, seu trabalho gira em torno de fazer com que estas entrem em contato com aquilo que mais as afligem para que possam transcender suas dificuldades e chegarem a um estágio de harmonia da alma.