Falta de sexo: o que fazer quando o parceiro não te procura

10 de setembro de 2018

|

O sexo é algo muito presente no início dos relacionamentos. Natural e instintivo, a atração mútua e a vontade de transar com mais frequência ajudam os casais a desenvolverem o vínculo afetivo e a ficarem cada vez mais próximos. Dar-se bem na cama é sinal de que a química bateu, sendo garantia de momentos prazerosos de intimidade.

Porém, após algum tempo de relacionamento é normal que o desejo diminua, sendo necessários mais estímulos para que não ocorra falta de sexo. Entenda:

Causas de falta de sexo

Muitos podem ser os motivos para a falta de desejo sexual: desde problemas hormonais, que devem ser checados para afastar causas orgânicas, até os relacionais, que são os principais e bem mais comuns.

A existência de um amante, problemas emocionais (como depressão ou outros distúrbios psiquiátricos), falta de admiração pelo cônjuge, brigas constantes e clima hostil entre o casal, além de outros fatores, podem levar à diminuição ou falta de sexo por parte de um ou dos dois parceiros.

Durante o sexo, liberamos o hormônio ocitocina, responsável pelo vínculo afetivo. Consequentemente, em sua ausência, deixamos de alimentar quimicamente algo que nos conecta com o outro. A intimidade diminui e, aos poucos, o clima amoroso que é deixado de lado, dando brechas para que a relação esfrie e apareça um terceiro ou até mesmo para que o amor acabe.

Um casal deve ser amigo entre si, mas o sexo é o que vai distinguir a amizade de um relacionamento amoroso.

Importância do diálogo

Se um parceiro tem mais vontade do que o outro, provavelmente fica frustrado por não ter sua necessidade atendida.

O mais correto nessa situação é conversar abertamente sobre o assunto e procurar uma saída em conjunto para que a intimidade seja resgatada.

Um grande erro que os casais cometem é a falta de diálogo sobre a questão, que é delicada, por medo da reação do outro ou de magoá-lo.

Busque terapia de casal

Para que o casamento não caia na rotina — o que é muito difícil, mas possível —, é preciso cuidar eternamente da intimidade do casal, não deixando que ela se perca em meio às dificuldades ou correrias da vida. Assim que perceberem um descompasso na vida sexual, devem conversar a respeito.

Se não conseguirem, a ajuda de uma terapia de casal pode ser fundamental para reverter a situação, permitindo que encarem o problema em um contexto protegido e busquem as causas para tal desequilíbrio. Pode-se reverter a situação caso ambos estejam dispostos a isso, abrindo-se para ouvir e falar sobre o que os incomoda e revendo suas posição dentro da relação.

Não deixe para depois

 

sexo oral

O importante é não deixar que algo tão bom desapareça, provocando o afastamento do casal. Ao menor sinal de falta de sexo, converse a respeito. Não acumule mágoas nem permita que se transformem em grandes lamentações e tempo de felicidade perdido. Afinal, uma relação a dois é para ser algo bom, trazendo à tona o melhor de cada um, e o sexo faz parte disso.

Dar-se bem sexualmente com o parceiro só traz coisas boas: o humor melhora, o sorriso é mais fácil, as dificuldades são mais facilmente enfrentadas, o vínculo é fortalecido, o carinho é mais frequente, a pele fica mais saudável, a libido é estimulada, gastam-se calorias etc.

Então, o que está esperando para resolver sua questão? Enfrente, vá à luta, busque soluções, provoque a intimidade, procure a ajuda de um profissional.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Marina Vasconcellos

Marina Vasconcellos

Marina Vasconcellos é psicóloga pela PUC–SP, especializada em Psicodrama Terapêutico pelo Instituto Sedes Sapientiae, psicodramatista didata pela Federação Brasileira de Psicodrama (FEBRAP) e terapeuta familiar e de casal pela UNIFESP.