Enxaqueca não é só uma dorzinha: afeta muito a qualidade de vida

10 de setembro de 2018

|

Você sabia que mais de 1 bilhão de pessoas no mundo sofrem com enxaqueca? 1 a cada 5 mulheres e 1 a cada 16 homens apresentam esta doença. Saiba mais sobre ela:

Causas e sintomas

Os portadores de enxaqueca tem suscetibilidade genética que os predispõem a uma hipersensibilidade ao barulho, à luminosidade, ao estresse emocional e a tantos outros fatores do nosso ambiente.

Pacientes com esta doença, experimentam um processo inflamatório cerebral intenso, responsável por dores de forte intensidade, náuseas, vômitos e extrema incapacidade.

Complicações

As crises de dor frequentes debilitam estes pacientes, e são responsáveis por problemas de atenção, baixo rendimento laboral, insônia, transtornos psiquiátricos, além de aumentarem a probabilidade de doenças cerebrovasculares.

Tratamentos

Há múltiplos tratamentos disponíveis para cada caso. Chamamos de tratamento profilático, aquele instituído para evitar as crises de dor, e este pode ser realizado com o uso de medicações de prescrição médica, mas há também opções como a toxina botulínica e dispositivos de neuromodulação cerebral.

Pare de achar que ter dor de cabeça é normal e procure ajuda.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Aline Turbino

Aline Turbino

Neurologista pela Casa de Saúde Santa Marcelina (SP), Membro da Sociedade Brasileira de Cefaleia, Membro da International Headache Society, Chefe do Setor de Investigação de Cefaleias da Residência Médica de Neurologia do Hospital Santa Marcelina, Pós Graduanda do Setor de Cefaleias da UNIFESP - Programa de Mestrado da UNIFESP, Pesquisadora do Setor de Cefaleias da Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), Especialização em toxina botulínica para doenças neurológicas HC-USP, Título de especialista em neurossonologia USP e Especialização em doenças do sono. CRM 128847