Densitometria DXA: melhor que bioimpedância e IMC para medir composição corporal

26 de novembro de 2018

|

Atualmente, muitas pessoas andam preocupadas em saber quanto de gordura têm no corpo. Em geral, lançam mão de bioimpedância, pregas cutâneas, índice de massa corporal (IMC), mas desconhecem o padrão ouro desta avaliação que é feita através da densitometria DXA, naquele mesmo aparelho onde é calculado massa óssea, para estudo de osso normal, osteopênia e osteoporose.

Vantagens da densitometria por DXA

A Europa há vários anos já indica a avaliação pela desintometria DXA devido a sua precisão, pois a bioimpedância sofre a interferência de temperaturas (frio ou calor), horário do dia, quantidade de líquido ingerido, época do ciclo menstrual, entre outros fatores

O índice de gordura corporal (IMC = peso em kg/altura em metros ao quadrado) não é a melhor forma de avaliar a distribuição porque mede o excesso de peso mas não diferencia o que é gordura do que é músculo.

Resultados

Com os dados obtidos pela desintometria DXA, calcula-se o Índice de Gordura corporal ou Fat Mass Index (FMI=gordura total em kg/ altura em metros ao quadrado) que consegue avaliar a gordura corporal e separá-la para cada sexo, diferente do IMC.

Em relação à gordura, consegue-se, também, quantificar a central ou androide (a da barriga, perigosa) e a periférica ou ginoide, avaliando qual delas predomina e, consequentemente, o risco cardiovascular e maior tendência à síndrome metabólica, pré-diabetes e diabetes (se a androide for maior).

A DXA consegue, também, calcular a massa muscular, isto é, se é boa, pesada ou mesmo se está pouca. Ela é avaliada por meio do Índice de Baumgartner (massa magra dos braços somada à das pernas/altura em metros ao quadrado), que também define o padrão normal em cada sexo: para o masculino maior que 7,26 kg/altura em metros ao quadrado e para o feminino maior que 5,5kg/altura em metros ao quadrado.

Este exame reclassifica o que se obtém pela balança e pelo IMC, usando os dados para saber se sua forma física está normal, com sobrepeso ou obesidade.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Maria Fernanda Barca

Maria Fernanda Barca

Dra. Maria Fernanda Barca é doutora em endocrinologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e da Sociedade Europeia de Endocrinologia (SEE).