Cadeirinha infantil salva vidas: até quantos anos deve ser usada?

05 de julho de 2019

|

Cadeirinha infantil e cinto de segurança salvam vidas, tanto que levar os pequenos corretamente no banco de trás reduz em até 70% os riscos de morte e ferimentos em casos de acidentes de trânsito, segundo um estudo da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet).

O cuidado vale inclusive para trajetos curtos e realizados em velocidades baixas e médias, como o percurso da escola para casa. Não é exagero, já que num acidente em que o carro está a apenas 50 km por hora uma criança de 10 kg é lançada para frente com um peso equivalente a 500 kg.

Cadeirinha infantil deve ser usada até quantos anos?

Manter a segurança é simples, basta seguir as recomendações da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) para cada faixa etária:

Até 1 ano: é preciso usar cadeirinha do tipo bebê conforto, posicionada de costas para a frente do carro e presa pelo cinto de segurança de forma que não se mova mais de 2 cm para os lados.

De 1 a 4 anos: a indicação é adotar uma cadeirinha infantil que seja presa pelo cinto de segurança, de preferência o de três pontos, e colocada na direção ao movimento do veículo.

De 4 a 7 anos: o ideal é utilizar um assento de segurança de elevação, do tipo booster, que ajuda a adequar o cinto do carro ao tamanho da criança, garantindo o ajuste correto em seus ombros e na cintura.

De 7 a 10 anos: o assento de elevação pode ser dispensado e a criança deve ser mantida no banco traseiro, sempre com o cinto de segurança.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Moisés Cohen

Moisés Cohen

Dr. Moisés Cohen é presidente da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), professor titular e chefe do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Unifesp, presidente da Sociedade Mundial de Artroscopia, Cirurgia do Joelho e Trauma Desportivo (ISAKOS) e diretor do Instituto Cohen de Ortopedia, Reabilitação e Medicina do Esporte. CRM 31.863