Se exercitar só aos fins de semana pode ser pontapé inicial para alto rendimento

30 de julho de 2019

|

A realidade da adesão à pratica de atividade física está bem longe do ideal. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), uma em cada duas pessoas em idade adulta no País não se dedica a exercícios de forma suficiente, ou seja, pelo menos duas horas e meia de esforço moderado por semana ou 75 minutos de treino intenso. Esse índice ainda é maior entre as mulheres, já que correspondem a 53,3% da estatística contra 40,4% dos homens.

Por causa da atual demanda e da rotina bastante atribulada, o fim de semana é o cenário perfeito para quem não consegue se exercitar segunda a sexta. Pensando nesse perfil, a revista médica Journal of the American Medical Association Internal Medicine divulgou um estudo sobre pessoas que só realizam atividades uma ou duas vezes por semana.

A pesquisa comparou os resultados de quem treina apenas sábado e domingo com os de sedentários. Aqueles que possuem pouco espaço na agenda para qualquer prática esportiva apresentam mais vantagens, como risco 30% menor de morrer por consequências de doenças, taxa 40% mais baixa para distúrbios cardiovasculares e chances 18% menores de morte por câncer.

Vale a pena se exercitar só aos fins de semana?

É claro que colocar o corpo em movimento é sempre melhor do que deixá-lo parado. Pesquisas científicas apontam que em um único treino de corrida ou bicicleta bem feito, por exemplo, já é importante para agregar benefícios à saúde, como melhora da pressão arterial, do nível de açúcar no sangue, da qualidade do sono, do aumento da disposição, da redução do estresse e da definição do corpo.

A caminhada, a pedalada e a corrida, mesmo sendo apenas o trote, contribuem ainda para o aumento do gasto calórico.

Porém, é preciso ficar de olho na intensidade dos exercícios. Mesmo quem já praticou com mais regularidade no passado deve adaptar seu ritmo aos poucos. Forçar pode resultar em lesões, traumas musculares, ósseos e articulares. A proposta é ir evoluindo de forma gradativa.

O corpo costuma responder rápido aos estímulos, já a musculatura e as estruturas articulares podem levar até três meses para chegar ao ponto de dar maior sustentação e assim, reduzir o risco de lesões.

Como potencializar resultados?

Uma dica é tentar incluir o maior número de atividades no dia a dia para complementar o condicionamento do final de semana. Invista em coisas simples: aumente o tempo do passeio com o cachorro, substitua o elevador pela escada e não fique tanto tempo sentado. Até arrumar a casa colabora para manter o metabolismo acelerado e ainda aumentar o gasto de energia.

O mais recomendado para progresso da atividade é apostar na união de exercícios aeróbicos com de musculação para adquirir maior capacidade cardiorrespiratória e ao mesmo tempo ganhar resistência e força. Tudo isso é essencial para conquistar maior rendimento e uma boa performance durante a atividade física.

Para resultados mais expressivos, é fundamental adicionar à rotina uma dieta saudável e equilibrada, além de passar por uma avaliação médica para a realização de exames que comprovem que a pessoa está apta para aquela atividade.

Na dúvida, vale também buscar o acompanhamento de um profissional de Educação Física com o intuito de auxiliar na escolha dos exercícios e da modalidade, além de passar as devidas instruções para a execução correta dos movimentos. Além de ajudar na performance, isso impedirá futuras lesões por postura errada.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Nemi Sabeh Jr.

Nemi Sabeh Jr.

Nemi Sabeh Jr., expert em medicina esportiva, ortopedia e médico da Seleção Brasileira de Futebol Feminino há 10 anos. Atua no núcleo de especialidades do Hospital Sírio Libanês e da On Body Evolution, centro integrado de saúde, em São Paulo. CRM: 104568/SP