Amor-próprio é uma escolha: necessidade, equilíbrio e saúde

Muitas vezes, escuto a seguinte frase em meu consultório: “mas se eu pensar somente em mim, não estarei sendo egoísta?”. Geralmente eu respondo: “Que mau há em usar um pouco de egoísmo para que possamos atender nossas necessidades e equilibrarmo-nos a fim de ter uma vida mais saudável?”.

Pois bem, falo aqui da possibilidade que temos constantemente de sermos mais compreensivos, generosos e amorosos com a nós mesmos e, geralmente, não somos.

Amor-próprio x Ser e Ter

Não somos, pois a vida moderna nos faz muitas cobranças em relação ao TER e, assim, frequentemente, nos esquecemos de SER aquilo que realmente precisamos.

A busca desenfreada em direção à conquista de bens materiais ou o modo automático que nos faz simplesmente cumprir obrigações do dia a dia têm nos tornado seres cada vez mais insanos e infelizes, do ponto de vista de autorrealização.

Não tem sido fácil ter o tal do “Amor-próprio”, a fim de que possamos nos aceitar do jeitinho que somos e escolher nos livrar de tudo aquilo que é tóxico e faz muito mal, mas que insistimos em ter conosco apenas por não sabermos como fazer diferente. Provocarei então, você, meu leitor, dizendo que sim, nós temos esse poder de escolha!

O que acontece é que nem sempre é fácil abrir mão do modus operandi que construímos durante toda uma vida, já que ele significa aceitar que seu jeito de viver e suas escolhas vêm causando sofrimento e, acredito que o mais difícil, se abrir a novas possibilidades e à mudança.

 

Guarda-chuva laranja em meio a outros pretos.

Michele Paccione/Shutterstock

Quando nos libertarmos das amarras que nós próprios criamos, é o amor-próprio atuando! Ele faz com que vivenciemos a autoaceitação e o sentimento de leveza e liberdade que faz a vida fluir.

Não ousarei dizer que é fácil, mas, com certeza, é perfeitamente possível se nos atentarmos às escolhas.

Sigamos então o caminho que necessita de um “Q” de egoísmo para que a vida flua da melhor maneira POSSÍVEL. Ressalto aqui que é da melhor maneira POSSÍVEL, pois temos de acatar somente aquilo que podemos e não àquilo que devemos ou somos impostos a realizar, mesmo que desrespeitem o nosso corpo e a nossa existência.

Façamos então as nossas escolhas e busquemos sempre aquilo que nos leva à um estado são.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Natália Menezes Aguilar Parente

Natália Menezes Aguilar Parente

Psicóloga (CRP 06/92570) graduada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, especialista em Gestalt-terapia pelo Instituto Sedes Sapientiae. Com o olhar voltado exclusivamente para as pessoas, seu trabalho gira em torno de fazer com que estas entrem em contato com aquilo que mais as afligem para que possam transcender suas dificuldades e chegarem a um estágio de harmonia da alma.