Alimentação e Alzheimer: melhor e pior dieta para combater a doença

26 de abril de 2019

|

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência no mundo. Segundo o Ministério da Saúde, é responsável por 50% a 80% dos casos de demência e atinge com mais frequência idosos.

A condição é caracterizada por declínio progressivo das funções cognitivas, levando, muitas vezes, a alterações no comportamento, na personalidade e na capacidade funcional da pessoa. Chegando em muitos casos a dependência total de terceiros.

É classificada como um transtorno mental e comportamental. Em outras palavras, a doença ocorre à medida que as células nervosas do cérebro sofrem redução de tamanho e número.

Fatores associados ao Alzheimer

Ainda não existe nenhuma intervenção médica que possa prevenir a doença de Alzheimer. No entanto, já foram identificados vários fatores de risco associados ao desenvolvimento:

  • Idade avançada
  • Sexo feminino
  • Predisposição genética
  • Ocorrência de traumatismo crânio encefálico
  • Nível de escolaridade
  • Presença de doenças cardiovasculares
  • Diabetes mellitus tipo 2
  • Inatividade física
  • Malnutrição

Para além destes fatores de risco identificados, algumas ações têm papel importante na prevenção e progressão da doença de Alzheimer:

  • Estilo de vida saudável
  • Bom estado nutricional ao longo da vida
  • Conhecimento acerca da doença

Alimentação e Alzheimer

A alimentação tem papel fundamental no desenvolvimento e progressão da doença de Alzheimer.

A melhor dieta

A alimentação deve ser baseada em alimentos com ômega-3 e micronutrientes como selênio, vitaminas E, C, D e do complexo B (B2, B6 eB12),

A pior dieta

Alimentação baseada na ingestão de gordura saturada e trans, açúcares refinados e álcool em excesso.

Alimentos contra Alzheimer

Vegetais, legumes, castanhas, nozes, frutas vermelhas, grãos, cereais integrais, peixes, aves e azeite devem estar presentes sempre que possível no cardápio dos pacientes.

Além disso, é indicado ingerir óleo de oliva, óleo de girassol, óleo de milho, espinafre, brócolis, couve-manteiga, couve-de-Bruxelas, couve-flor, tomate, molho de tomate, alho, nozes, semente de linhaça, chia, amendoim, avelã, kiwi, amora, abacate, morango, laranja, limão, banana, flocos de trigo, cereais integrais e café.

Alimentos que favorecem Alzheimer

Os alimentos que favorecem a progressão e o surgimento da doença são: lacticínios gordurosos, como leite, queijos, iogurte grego, nata e manteiga; carnes gordas, como mortadela, salsicha, bacon e vísceras; comidas industrializadas e refeições congeladas, como bolachas, biscoitos, bolos, chocolates, sobremesas doces e produtos de panificadora embalados.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Paula Stempniewsky

Paula Stempniewsky

Nutricionista formada pelo Centro Universitário São Camilo, em 2009, e pós-graduada em Nutrição Clínica pelo IMEN, sou especialista em emagrecimento e experiente em desportistas e em dietas vegetarianas e veganas. Sou também programadora neurolinguística pelo instituto Instituto Nacional de Desenvolvimento Pessoal (INDP) desde 2010, Coach formada pelo Nutritional Coaching em 2016 e atualmente faço formação em Ayerda e Culinária pela Clínica Dhanvantari. Realizo atendimentos que englobam um trabalho integrado com pilates, estética, yoga, danças, acupuntura e moda vegana.