9 principais lesões que afetam jogadores de futebol

04 de junho de 2018 ● POR Bruno Botelho dos Santos

Na prática de esportes e atividades físicas, as lesões acabam se tornando um problema muito comum entre os praticantes. No futebol, não é diferente. Por ser um esporte que exige muito do corpo, acontece muito de jogadores (principalmente os profissionais) acabarem sofrendo alguns tipos de lesão — que influenciam diretamente no desempenho dentro de campo e nos treinos.

Algumas lesões, inclusive, são graves o suficiente para tirá-los de competições importantes, como a Copa do Mundo.

As mais comuns são as lesões musculares, seguidas pelas lesões ligamentares, ósseas e de meniscos. As musculares e ósseas têm recuperação, geralmente, em tempo curto, já as de ligamentos e meniscos interrompem a atividade do jogador por um longo período.

9 principais lesões que afetam jogadores

Mesmo o futebol sendo um esporte de muito contato e choque entre os jogadores, o principal motivo das lesões não são esses choques e pancadas. Em uma análise feita por ortopedistas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a maior parte das lesões que afetam jogadores estão relacionadas com movimentos de rotação e explosão muscular.

A análise foi feita a partir dos prontuários médicos de 8 times profissionais, em que as lesões mais comuns foram:

  • Lesões musculares – 39,2%;
  • Lesões por choque entre jogadores (contusões) – 24,1%;
  • Torções – 17,9%;
  • Tendinites – 13,4%.

Dessas, 72,2% foram lesões nos membros inferiores, com maior incidência na coxa (34,5%), no tornozelo (17,6%) e no joelho (11,8%).

1. Lesões no joelho

Essas são das principais lesões que afetam jogadores, sendo muito comuns no futebol. Os movimentos de rotação são os grandes culpados por essas lesões. Os tipos mais comuns que ocorrem nessa região são:

  • Rompimentos do ligamento cruzado anterior (total ou parcial), que é uma das lesões mais graves no futebol;
  • Ligamento colateral-tibial;
  • Menisco.

Os ligamentos do joelho se estendem conforme a rotação da perna, quando eles são sobrecarregados, acabam rompendo e é preciso reconstituí-los usando outros tendões, como o de trás da coxa.

2. Lesões no tornozelo

Assim como o joelho, o tornozelo também acaba sofrendo bastante com a movimentação rápida e contínua que o futebol apresenta. Os tornozelos acabam sendo ainda mais vulneráveis a pancadas e aos buracos dos gramados.

As lesões mais comuns nessa região são as torções (ou entorses) nos ligamentos que conectam os pés aos ossos da perna.

3. Lesões na coxa

As lesões nas coxas são as lesões musculares mais comuns. O músculo é composto de várias fibras que, na hora do movimento, escorregam umas sobre as outras. Quando o movimento não é uniforme, acontece um estiramento do músculo.

Durante o chute, o músculo está contraído para gerar força sobre a bola. Por causa disso, os músculos posteriores são os mais afetados, podendo travar (contratura muscular) ou até se romperem.

A lesão muscular costuma ocorrer quando a pessoa apresenta falta de condicionamento físico e não utiliza uma técnica adequada na hora de realizar um exercício. A falta de aquecimento antes dos exercícios e cansaço extremo também podem contribuir para o seu surgimento.

4. Lesões na tíbia

A tíbia é o maior osso no corpo, que suporta o nosso peso, e fica localizada na canela. A fratura na tíbia é o tipo mais comum no futebol. Quando o uso de caneleiras não era obrigatório, elas eram ainda mais frequentes. Nessas fraturas, a fíbula também costuma ser afetada, já que é um osso bem mais fino que a tíbia e nem sempre é protegido pelas caneleiras.

5. Lesões no púbis

É chamada de pubalgia. O púbis é considerado o centro de gravidade do corpo, já que é um osso que serve como junção de outros ossos e músculos importantes, por isso, é um dos lugares no corpo mais sobrecarregados na prática de futebol.

Então, o movimento repetitivo nessa região provoca uma inflamação no tendão que faz a junção. Quando acontece, é um tipo de tendinite, o tendão não se rompe, e os narradores costumam falar que o jogador “sentiu a virilha”, a famosa “puxada na virilha”.

6. Fraturas

As fraturas são as interrupções na continuidade do osso, podendo ser causadas por quedas, impactos fortes ou movimentos violentos.

A fratura por estresse é muito comum no futebol, e é outro tipo de lesão causada por causa de movimentos repetitivos. A fratura por estresse é cada vez mais comum entre praticantes de esporte, é um dano ao osso normal por causa de carga repetitiva.

Os ossos que mais sofrem por estresse acabam sendo os do pé, que são finos e são muito exigidos na movimentação do esporte.

7. Traumatismos

Os traumatismos são lesões ou feridas mais ou menos extensa, produzidas por ação violenta externa ao organismo causadas pelo futebol. As consequências geram um trauma para a estrutura e o funcionamento do organismo.

8. Leões no rosto

Abaixo do olho nós temos o osso zigomático, que vai até a mandíbula, formando um vão sob ele. As principais lesões que ocorrem nessa região costumam ser quando os jogadores usam os braços para proteger a bola e às vezes, com uma cotovelada, acabam afundando esse osso.

9. Luxações

Uma luxação é um deslocamento repentino e duradouro, parcial ou completo de um ou mais ossos de uma das articulações do corpo. A luxação, geralmente, ocorre quando há um choque direta ou indiretamente sobre uma articulação, empurrando o osso para fora de sua posição normal.


hehe