9 jogadores que sofreram lesões e perderam a Copa

08 de junho de 2018 ● POR Breno Deolindo

A Copa do Mundo é um dos maiores sonhos de qualquer jogador de futebol. Vestir as cores do seu país e defendê-las em um campeonato internacional é uma sensação indescritível, mas que acaba sendo tirada cruelmente de alguns atletas. O mundo do futebol não está livre das tão temidas lesões, que são muito comuns, já que o esporte é de muito contato e exige demais dos atletas.

Com isso, vários craques já deixaram de reforçar suas seleções, como foi o caso do nosso camisa 10 – Neymar Jr. – na Copa de 2014. Então, o Ativo Saúde separou uma lista de jogadores que sofreram lesões e perderam a Copa do Mundo. Confira!

Jogadores que sofreram lesões e perderam a Copa do Mundo

1. Marco Van Basten – Holanda (1994)

jogador Marco Van Basten

O holandês é reconhecido até os dias de hoje como um dos maiores jogadores da história, mas os seus problemas recorrentes no tornozelo o forçaram a desistir da Copa do Mundo de 1994. O craque já havia feito uma passagem discreta na edição de 90, quando a Holanda – uma das favoritas – decepcionou e foi eliminada sem vitórias.

Van Basten teve de passar por cinco cirurgias no tornozelo durante sua carreira, e a persistência desse problema acabou tornando sua carreira mais curta: ele desistiu do futebol em 1995, com apenas 31 anos de idade.

2. Careca – Brasil (1982)

jogador Careca

A Seleção Brasileira de 82 é sempre lembrada como aquela que apresentou o futebol mais bonito de se ver, mas que não conseguiu o título mais importante, de campeã. A ausência de Careca, uma das referências no ataque canarinho, certamente influenciou muito nesse fracasso.

O centroavante teve um estiramento muscular quatro dias antes da estreia na competição, e teve de dar lugar a Roberto Dinamite. A hiperextensão das fibras musculares pode acontecer em várias regiões do corpo, e o tempo de recuperação varia de acordo com a região e a extensão da lesão.

3. Romário – Brasil (1998)

jogador Romário

O baixinho vinha de uma atuação incrível na Copa de 94, quando foi peça fundamental para o tetracampeonato brasileiro, mas uma lesão na panturrilha o deixou de fora da Seleção na Copa seguinte. Graças ao corte do elenco, o técnico Zagallo e seu auxiliar Zico até hoje são seus desafetos.

A lesão muscular na panturrilha pode acontecer em vários graus, classificados de um a três:

  • primeiro: há apenas um estiramento de uma porção pequena do músculo;
  • segundo:  segue o mesmo princípio, mas mais da metade da panturrilha é afetada;
  • no pior de todos, há rompimento das fibras musculares, e o tempo de recuperação pode ultrapassar dez semanas.

4. Emerson – Brasil (2002)

Jogador Emerson

Capitão inquestionável da Seleção que viria a ser pentacampeã do mundo, Emerson foi cortado pelo técnico Felipão após uma luxação no ombro direito, sofrida enquanto brincava de goleiro durante um treino.

Esse tipo de lesão acontece quando uma força externa se sobrepõe às forças de estabilização do ombro, “descolando” os ossos. A lesão apresenta uma varias especificidades e o tratamento pode ser somente com fortalecimento e fisioterapia ou até mesmo cirúrgico, com recuperação de aproximadamente quatro meses.

5. David Beckham – Inglaterra (2010)

jogador David Beckam

O meia inglês rompeu o tendão de Aquiles em uma partida do Campeonato Italiano, quando defendia o Milan. Aos 34 anos na época, ele era um dos principais medalhões da equipe inglesa. Sua ausência foi sentida pela equipe, que foi goleada pela Alemanha nas oitavas-de-final.

A lesão de Beckham é complicadíssima, e precisa de tratamento cirúrgico na maioria dos casos em que o paciente pratica esportes. Caso a ruptura seja completa, o tempo de recuperação pode alcançar até oito meses. Para preveni-la, o mais indicado é realizar exercícios de fortalecimento da panturrilha.

6. Neymar Jr. – Brasil (2014)

jogador Neymar

Nas quartas-de-final da última copa, o principal astro da seleção brasileira teve a vértebra L3 fraturada após uma joelhada de Zuñiga, jogador colombiano. A lesão o tirou de combate pelo restante da competição, e o brasileiro não pôde entrar em campo no fatídico jogo contra a Alemanha – o histórico 7 a 1.

O tratamento para fratura na vértebra é feito com colete imobilizador, mantendo a coluna ereta até que os ossos sejam consolidados novamente – o que demora cerca de 45 dias.

7. Thiago Alcântara – Espanha (2014)

Jogador Thiago Alcântara

Filho do ex-jogador brasileiro Mazinho, o meia espanhol é uma das principais esperanças da Espanha para a Copa de 2018. Na última Copa, entretanto, uma lesão em seu joelho direito impediu que ele entrasse em campo.

Thiago sofreu uma lesão parcial em um ligamento do joelho em março, e inicialmente o diagnóstico era de 6 a 8 semanas de recuperação. Porém, seu quadro piorou bastante durante o tratamento e o período fora do gramado se estendeu ainda mais. Logo depois de voltar a jogar, em outubro, o jogador sofreu uma reincidência da lesão e precisou passar por cirurgia.

8. Marco Reus – Alemanha (2014)

jogador Marco Reus

O jogador alemão, que defende o Borussia Dortmund, tem um extenso histórico de contusões. No ano da última Copa, ele sofreu um entorse no tornozelo direito durante um amistoso e disse adeus à competição internacional. O craque rompeu os ligamentos no lance e ficou pouco mais de dois meses afastado dos gramados. Sua ausência, porém, não impediu a Alemanha de conquistar o tetracampeonato em cima da Seleção Brasileira.

Esse tipo de lesão normalmente ocorre em movimentos de aterrizagem em terrenos irregulares, e pode ser prevenida com exercícios de fortalecimento do tornozelo – seja com elásticos ou com aparelhos de equilíbrio.

9. Daniel Alves – Brasil (2018)

Jogador Daniel Alves

As lesões no joelho são as principais lesões que afetam jogadores de futebol. O caso mais recente é o do lateral direito da Seleção, que sofreu um estiramento no ligamento cruzando anterior (LCA) do joelho direito e perderá a Copa do Mundo na Rússia. O LCA, que liga o fêmur à tíbia, é um dos quatro ligamentos do joelho que são responsáveis por manter a estabilidade e os movimentos do joelho.

A lesão de Daniel pode acontecer em, praticamente, todos os esportes, geralmente quando há uma torção do joelho – com ou sem contato externo –, ou quando ocorre uma hiperextensão dessa articulação. Em alguns casos, o tratamento pode ser feito com fortalecimento e fisioterapia, mas o brasileiro terá de passar por uma cirurgia para conseguir uma recuperação completa.

 


hehe