Noz-moscada faz mal? Excesso gera efeito alucinógeno, abortivo e mais

11 de julho de 2019

|

POR Gabriele Amorim

Embora seja tipicamente empregue em receitas dos mais variados tipos, a noz-moscada faz mal à saúde quando consumida em grandes quantidades. Contudo, a especiaria não é vilã se for usada com responsabilidade. Continue lendo e saiba suas propriedades, benefícios, malefícios e quantidade segura para consumir.

Benefícios

Quando consumida em quantidade adequadas, a especiaria pode melhorar a capacidade antioxidante do organismo, aumentar a proteção contra cânceres, melhorar a digestão, amenizar a ansiedade, prevenir convulsões e aliviar sintomas de depressão.

Ajuda a emagrecer?

Não existem evidências que comprovem que a noz-moscada ajude a emagrecer por si só. Todavia, é possível utilizar seus benefícios na hora de perder medidas, visto que a especiaria melhora a digestão e ameniza a ansiedade – o que pode refletir positivamente na prevenção de episódios de compulsão alimentar.

Além disso, para que o emagrecimento aconteça, é necessário manter uma alimentação saudável e praticar atividade física regularmente.

Afinal, noz-moscada faz mal? 

Alucinações

Quando consumida acima da quantidade recomendada, a noz-moscada faz mal pois pode gerar intoxicação.

O efeito psicotrópico causado pelo alto consumo é decorrente da miristicina e da elemicina. Esses compostos promovem respostas similares à serotonina, como relaxamento e bem-estar, porém eles também induzem ao efeito alucinógeno.

É comprovado que quantidades próximas a 20 gramas podem causar alucinações visuais, auditivas e motoras, além de fraqueza e confusão mental. 

Perigo para gestantes

Além disso, o consumo deve ser evitado por gestantes, pois a especiaria também possui propriedades abortivas, podendo causar complicações e prematuridade.

Quantidade segura

A quantidade máxima de noz-moscada que pode ser consumida sem oferecer riscos à saúde é de cinco gramas por dia.          

                                                             

Fontes

Nutricionista Débora Copelli de Lima, especialista em nutrição esportiva e clínica. CRN 53692

Nutricionista Vivian Cristina de Menezes Augustini, do Hospital Sírio-Libanês. CRN 24353

Nutricionista Daniel Barreto de Melo, mestre em Ciências pelo Programa de Alergia e Imunopatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. CRN 43696