Ginkgo Biloba é cheio de benefícios: para que serve e como tomar a planta

Atualizado em 27 de agosto de 2019

|

POR Amanda Grecco

Ginkgo biloba é uma planta originária da China que tem funções medicinais, especialmente por ser fonte de diversas substâncias benéficas à saúde. Seu consumo costuma acarretar em melhorias nas articulações, no fluxo do sangue, no cérebro e em outras partes do corpo.

Com funções que podem transitar desde a melhoria da memória até o alívio de tonturas, essa planta pode ser uma forte aliada na prevenção e tratamento de tumores. Entenda:

Propriedades nutricionais

Porção de 100 gramas de ginkgo biloba contém:

  • Gorduras totais
  • Carboidratos
  • Proteínas
  • Potássio
  • Vitamina A

Para que serve ginkgo biloba?

A planta é rica em terpenoides e flavonoides que proporcionam diversas melhorias na vida de quem a consome. Seus benefícios tendem a favorecer da saúde vascular até o funcionamento cerebral.

Veja a lista com os principais benefícios da ginkgo biloba:

Regula a pressão arterial

Ginkgo intensifica a produção de óxido nítrico, o qual é responsável pelo efeito vasodilatador que é capaz de reduzir a pressão, sendo benéfica para hipertensos.

Reduz risco de doenças do coração

Estimulando a dilatação dos vasos, a planta ameniza a pressão sobre o coração, diminuindo o risco de doenças neste órgão.

Menos chance de trombose

A ginkgo biloba também inibe a produção do fator PAF, que é responsável pela união de plaquetas e aumento da viscosidade do sangue. Em consequência, há menor risco de trombose — coágulo sanguíneo que pode causar AVC e infarto.

Pode melhorar a saúde ocular

Sua propriedade antioxidante combate os radicais livres que danificam células saudáveis e geram doenças oculares, como glaucoma. Ainda por cima, a planta auxiliar a manter a pressão dos olhos mais controlada.

Combate perda de memória e aumenta a concentração

A planta é conhecida por ajudar na prevenção de doenças degenerativas, como o Alzheimer, e melhorar a memória e a concentração, já que propicia a entrada de acetilcolina no cérebro, substância essencial para a ação dos neurônios.

Combate ansiedade

Aumentando a capacidade de administrar quantidades de cortisol e adrenalina, essa planta tende a manter a pessoa menos estressada, amenizando a ansiedade e até a depressão.

Melhora a libido

Ao melhorar a circulação do sangue, essa planta estimula um equilíbrio hormonal e, no caso dos homens, pode ajudar na disfunção erétil.

Labirintite

Como auxilia na circulação sanguínea, ginkgo biloba pode auxiliar casos de labirintite — inflamação do ouvido interno que costuma causar tontura.

Ginkgo biloba emagrece ou engorda?

Apesar de muitas pessoas associarem essa planta à engorda, não há estudos conclusivos sobre os efeitos no peso.

A associação pode ser explicada pelo fato de que pessoas que consomem ginkgo biloba têm melhoria na qualidade de vida e na sensação de bem-estar, portanto sentem mais apetite e comem mais.

Mesmo assim, alguns cientistas defendem que, por sua composição natural, a planta tem tudo para ser uma ótima aliada de quem faz dietas para emagrecer: rica em antioxidantes e vasodilatadora, tende a melhorar o metabolismo, de modo que nutrientes sejam melhor aproveitados e absorvidos pelo organismo.

Efeitos colaterais

O consumo incorreto ou demasiado pode acarretar em sintomas como ânsia, diarreia, tontura, palpitação, prisão de ventre, queda da pressão, gastrite, bem como enxaqueca e sensibilidade na pele.

Contraindicações

Ginkgo biloba não é indicado para pacientes hemofílicos e também deve ser evitado por pessoas que usam medicamentos anticoagulantes e antiplaquetários, já que interfere na circulação.

Pessoas que forem realizar cirurgias e que ingerem esses extratos são comumente orientadas a cessar o consumo para diminuir os riscos de hemorragia, uma vez que o fluxo sanguíneo é estimulado.

Já crianças, gestantes e lactantes devem consumir ginkgo biloba somente sob orientação de um médico ou nutricionista.

Por fim, quem tem condições que causem convulsões deve evitar a planta, que em grandes quantidades podem densencadear crises.

Interações medicamentosas

Os medicamentos originais da ginkgo biloba costumam ser marcados com tarja vermelha, o que faz com que sejam liberados somente sob apresentação de receitas médicas. De qualquer forma, para o consumo da planta e de seu extrato não há controle.

É importante, antes de se medicar, consultar um médico especialista que oriente o consumo de maneira correta, visto que podem ocorrer efeitos adversos e interações com outras substâncias, tais como:

  • Alprazolam (Xanax)
  • Anticoagulantes
  • Anticonvulsivantes
  • Antidepressivos
  • Estatinas, como sinvastatina e atorvastatina
  • Medicamentos para diabetes
  • Ibuprofeno

Como tomar ginkgo biloba?

Ginkgo Biloba
jurgal/Shutterstock

As sementes de ginkgo cruas ou torradas não devem ser ingeridas, uma vez que podem ser venenosas.

Atualmente, a maneira mais segura de consumo é por meio de comprimidos ou pós comercializados em farmácias. Todavia, ainda há quem prepare chás de ginkgo biloba e consuma seu extrato.

Quanto tomar?

O que se recomenda é o consumo de duas a três vezes por dia com porção total de 80 a 240 mg de ginkgo biloba, a qual fica a critério do médico ou fitoterapeuta que faz a orientação.

Preço

Ginkgo biloba custa de R$ 20 a R$ 150, a depender da apresentação e a marca do produto.