Fruta seca ou fruta fresca? Conheça qual é a melhor e os seus benefícios

Atualizado em 24 de junho de 2020

|

POR Caroline Andrade

Quem gosta de variedades na dieta pode ficar em dúvida ao entrar no mercado e se deparar com alimentos que aparentam ser semelhantes, como as frutas frescas e as frutas secas. Para ajudar a entender as especificidades desses dois tipos de alimentos, a nutricionista da equipe da Clínica Dra Nicolle Queiroz, Jannaína Mazelli, especialista em oncologia esclareceu as principais dúvidas sobre o assunto. Confira a seguir.

Como a fruta seca é feita?

A fruta seca, nada mais é, do que a fruta fresca depois de um processo de retirada da sua água natural, tratamento que pode ocorrer de forma natural ou por meio de um equipamento próprio para a sua secagem.

No processo industrial, pode ser adicionado o enxofre para conservar a cor e o sabor da fruta e evitar uma oxidação. Isso explica a coloração mais escura e o sabor mais oxidado, semelhante ao gosto de chá seco, das frutas secas orgânicas, as quais não recebem essa substância.

Também é possível ajustar a cor de algumas frutas, sem modificar tanto o seu sabor natural, por meio do tratamento das frutas frescas recém-cortadas com um preparado rico em vitamina C – mistura de água e suco de limão – alguns minutos antes do processo de secagem.

O que diferencia a fruta seca da fruta fresca?

As frutas de ambos modos são saudáveis e, por apresentarem valores semelhantes de fibras, vitaminas e minerais, trazem benefícios idênticos para a saúde.

Por outro lado, as frutas secas se destacam quando o assunto é praticidade, já que não precisam ser higienizadas ou descascadas, estão disponíveis o ano todo e possuem prazo de validade mais amplo, podendo chegar até 6 meses.

Outra característica marcante das frutas secas é que elas são mais doces e saborosas do que as frutas frescas por causa da desidratação, o que as tornam uma opção atraente e saudável para a vontade de comer doce.

As frutas secas e frescas possuem os mesmos nutrientes?

Mesmo com o processo de desidratação as frutas secas preservam as fibras, vitaminas e minerais porém, o mesmo não ocorre em relação a vitamina C, que por ser uma molécula instável perde as suas propriedades, rapidamente, quando em contato com o oxigênio e com a luz.

Outra consequência do processo de desidratação é que as frutas se tornam mais leves, em razão da perda de água e, por isso, os demais nutrientes ficam mais concentrados em comparação com os contidos nas frutas frescas. No entanto, a capacidade de hidratação das frutas secas é menor.

Quando comer cada uma?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ideal são 400g de frutas por dia, o que corresponde a 5 porções do alimento.

Dessa forma, no caso das frutas secas, uma sugestão é deixá-las na bolsa para servirem como lanches intermediários, afinal, são práticas, saborosas e nutritivas.

Outra opção é adicioná-las na composição de outras refeições, principalmente em misturas assadas ou misturadas a cereais, que darão um ótimo sabor agridoce aos pratos. Já as frutas frescas, podem ser consumidas, também, nos intervalos entre as principais refeições diárias ou no preparo de receitas.

Qual é mais calórica?

As frutas secas são mais calóricas, já que a desidratação faz com que todos os nutrientes, incluindo o açúcar, fiquem mais concentrados. Por isso, é importante tomar cuidado com a quantidade ingerida diariamente.

Por que comer frutas?

Tanto as frutas frescas quanto as frutas secas são ricas em ácido pantotênico e sais minerais como cálcio, ferro, magnésio, fósforo, potássio, sódio, cobre e manganês. Minerais, os quais que desempenham funções estruturais e biológicas vitais para a manutenção da vida.

Além disso, ambas são fontes de antioxidantes, substâncias que ajudam a proteger as células e garantir o bom funcionamento do organismo.

As frutas secas e frescas são fontes de vitaminas do complexo B (B1, B2, B3, B6) e em ácido pantotênico, que é fundamental para o bom funcionamento do sistema neurológico.

A regularização do intestino também é contemplada com as propriedades laxativas das frutas, principalmente as ameixas, que são ricas em fibras.

No âmbito das atividades físicas, muitas frutas são fontes de energia imediata, como as tâmaras, que podem ser utilizadas no pós-treino.

Algumas frutas secas, como o damasco são ricas em vitaminas A, aliada da visão e do sistema imunológico. Outras, ajudam no desenvolvimento dos glóbulos vermelhos e protegem contra doenças renais, anemia, osteoporose, como as uvas passas.

Existe alguma restrição para o consumo de frutas secas?

As contraindicações das frutas secas são semelhantes às das frutas frescas.

Porém, devido ao processo de desidratação que promove uma forma mais concentrada de nutrientes no alimento, como a glicose e o potássio, os diabéticos devem ficar atentos às quantidades ingeridas de frutas secas, pois, apesar de serem pequenas fisicamente, contém muito mais nutrientes do que uma fruta fresca.

O mesmo vale para pessoas com dietas restritas em potássio, como é o caso de alguns pacientes com doença renal crônica, que devem consumir esse alimento de acordo com as recomendações de profissionais capacitados, como médicos ou nutricionistas.

Além disso, quem tem intolerância ou alergia à algum tipo de fruta deve evitá-la da mesma forma que faria com a fruta na versão fresca.

 

Fontes

Nutricionista Janainna Mazelli, da Clínica Dra. Nicolle Queiroz – CRM 49041