Vinho: benefícios, tipos, quanto tomar e contraindicações

30 de novembro de 2018

|

POR Bruno Botelho dos Santos

O vinho acaba dando um toque especial em diversas ocasiões, seja com a sua família, com os amigos ou em um jantar romântico. Muito se fala que uma taça de vinho aqui e ali é boa para a saúde, mas como e qual seria exatamente essa contribuição? Descubra:

Quais são os benefícios do vinho?

No geral, os vinhos possuem polifenóis, que são compostos com função antioxidante, ou seja, que combatem os radicais livres que causam lesões celulares.

A diferença entre os tipos da bebida está principalmente nessas concentrações de antioxidantes.

Os benefícios do vinho só são válidos se forem aliados a bons hábitos de saúde. Veja os principais:

Contém antioxidantes

O vinho é cheio de antioxidantes que atacam os radicais livres que causam diversos problemas de saúde, como o câncer e o envelhecimento precoce.

Combate doenças

O consumo moderado de vinho pode evitar infecções e manter o sistema imunológico sob controle.

Previne a osteoporose

A bebida pode ser ótima para a densidade óssea (quantidade de cálcio nos ossos), reduzindo as chances de osteoporose, doença em que o esqueleto fica frágil e quebradiço.

Anticoagulante natural

O consumo moderado de vinho pode reduzir a coagulação do sangue. Ele atua como um anticoagulante natural, aumentando a chance de romper qualquer coágulo sanguíneo que possa levar a um derrame.

Previne doenças cardiovasculares

Ele pode ser ótimo para a saúde do coração, já que contém procianidinas, elementos eficazes na prevenção de doenças cardiovasculares.

Além disso, reduz a formação de placas que entopem artérias, aumenta o colesterol bom, diminui a inflamação e inibe a coagulação do sangue, o que diminui o risco de aterosclerose (enrijecimento das artérias).

Pode diminuir o colesterol

As mesmas propriedades que ajudam na saúde do coração também promovem o colesterol mais baixo. Há diminuição do LDL – colesterol ruim – e aumento do HDL – colesterol bom.

Bom para diabetes

O fitonutriente resveratrol em suas propriedades demonstrou melhora da sensibilidade à insulina. Essa resistência contribui para reduzir o risco de diabetes tipo 2.

Para o cérebro

O vinho pode melhorar as funções cognitivas, já que seus ingredientes colaboram com o prolongamento da vida dos neurônios. Assim, ele protege o cérebro da demência e reduz o aparecimento de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson.

Tipos de vinho

Vinho branco

 

vinho branco

MarkSwallow/iStock

Na produção do vinho branco seco são separadas as sementes e as cascas das uvas, o que atrapalha a formação de fitonutrientes – por isso, sua concentração de antioxidantes é menor. Apesar disso, a quantidade de calorias é baixa (em média 80 kcal por taça).

O vinho branco suave é adocicado, afinal, contêm mais açúcar, o que é prejudicial à saúde.

Vinho tinto

 

vinho tinto

debyaho/iStock

Este é o vinho que, se consumido com moderação, apresenta mais benefícios para a saúde. Isso porque em seu processo de fabricação cascas e sementes são aproveitadas, o que aumenta muito a concentração de antioxidantes (entre eles o resveratrol e os bioflavonóides).

Isso ajuda no controle do colesterol e da pressão arterial, no rejuvenescimento, na prevenção de alguns tipos de câncer e redução na incidência de doenças inflamatórias.

Vinho verde

“Os verdes são originalmente de uma região específica de Portugal. Como são derivados de outros vinhos, como brancos, rosés e até tintos, apresentam benefícios de acordo com a origem”, explica a nutricionista Cintya.

Por conta do curto processo de maturação das uvas e de um breve período de armazenamento do líquido do engarrafamento, o verde possui baixo teor alcoólico e índice de açúcar, além de sabor muito mais leve e fresco.

Vinho rosé

 

vinho rosé

MarkSwallow/iStock

Este é um meio termo entre o vinho branco e o tinto. Um dos modos mais comuns de obtê-lo é por meio da prensagem direta das uvas e retirada das cascas.

Ele fornece benefícios para a circulação sanguínea, porém em menor escala do que o tinto. Também é considerada a versão menos calórica.

Qual é melhor para a saúde: seco ou suave?

O melhor vinho para a saúde é o seco. “Ele possui até 4 g de glicose por litro, ou seja, sua concentração de açúcar é muito baixa se comparada a do suave. Além disso, as uvas utilizadas na produção são consideradas nobres, o que nem sempre ocorre com a versão”, explica a nutricionista.

Entre os tipos, o vinho tinto seco possui maior concentração de antioxidantes na composição, sendo mais benéfico ao organismo.

Qual é o melhor tipo de uva?

 

tipos de uva

kobeza/iStock

Os melhores tipos de uva são os que podem ser processadas com sementes e casca, já que isso aproveita integralmente os benefícios da fruta. Então Tannat, Merlot e Cabernet estão entre as melhores opções.

Suco de uva x vinho: qual é melhor?

Os benefícios estão relacionados à fruta, portanto o vinho, em quantidade moderada, é tão favorável quanto o suco, desde que seja integral e preferencialmente orgânico.

Apesar de se encontrar os mesmo benefícios em ambas as bebidas, a quantidade de resveratrol é maior no vinho devido a seu processo de fabricação.

Quanto de vinho tomar por dia?

O recomendado é tomar 1 taça de vinho por dia (aproximadamente 100 ml).

Contraindicações

 

grávida recusando vinho

RgStudio/iStock

O consumo de vinho é contraindicado para:

  • Pessoas que estão em controle de peso
  • Indivíduos que fazem dieta para desempenho e rendimento esportivo
  • Gestantes
  • Pessoas que fazem uso de medicamentos controlados e contínuos
  • Diabéticos – devem optar por vinhos que tenham menor teor de açúcar na composição, como Tannat, Tempranillo e tintos de Rioja
  • Pessoas com problemas no fígado ou pâncreas

Para adultos saudáveis não há contraindicações.

 

Fontes

Nutricionista Cintya Bassi, do Hospital e Maternidade São Cristóvão – CRN 21838/SP

Nutricionista Vanessa Caluete, da LC Restaurantes – CRN 40478/SP