Autossabotagem: entenda por que acontece e como evitar

26 de abril de 2019

|

POR Gabriele Amorim

Seja como um mecanismo de defesa ou um jeito turrão de ser, autossabotagem pode interferir nos planos e objetivos mais bem definidos, prejudicando oportunidades e relacionamentos. Existem razões pelas quais ela pode ocorrer. Saiba quais e como evitá-las.

O que é?

Autossabotagem é qualquer ação que atrapalha a intenção de fazer algo. Por exemplo, fingir que um deslize na dieta não aconteceu, postergar um término de relacionamento tóxico por medo ou negar uma vaga de emprego por medo de não ser bom o bastante.

Por que acontece?

A psicóloga Sarah Rosado Pereira, membro da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP), afirma que autossabotagem não é fruto do medo de ser feliz, mas de um mecanismo psicológico chamado Complexo-R, mais conhecido como cérebro reptiliano, que trabalha a função de controle.

Ou seja, esse mecanismo faz com que o indivíduo tenha a necessidade de controlar tudo que acontece em sua vida, levando-o, inconscientemente, à autossabotagem.

Por exemplo, se uma pessoa deseja fazer uma viagem ou até mesmo viver um novo amor, é nesse momento que o Complexo-R gera o sentimento de querer que tudo aconteça sistematicamente.

Como o controle total não é possível, visto que situações inesperadas podem acontecer, a pessoa se sente incapaz e passa a se autossabotar para evitar ou diminuir possíveis descontentamentos e decepções.

O que desencadeia?

A autossabotagem, normalmente, é desencadeada por situações guardadas pelo indivíduo durante toda vida, como:

  • Experiências traumáticas do passado
  • Desejo por maior segurança
  • Baixa autoestima desde criança
  • Sentimento constante de defesa

Sinais de autossabotagem

A autossabotagem causa ao indivíduo que a sofre o sentimento de perda de controle, impedindo que se permita viver experiências diferentes das já vividas.

Os sinais mais comuns, tanto no âmbito pessoal quanto no profissional, são:

  • Baixa autoestima
  • Falta de autoconfiança
  • Nervosismo em situações inesperadas
  • Procrastinação de tarefas ou decisões importantes
  • Sentimento de ser “refém”
  • Dificuldade em assumir riscos ou responsabilidades

Como interfere na vida

A autossabotagem não é considerada uma doença, mas pode causar danos severos a quem a sofre. O problema costuma arrastar-se por anos e, por isso, atrapalha diversas áreas da vida.

É como se a pessoa estivesse nadando contra a corrente, querendo ser feliz, mas não conseguindo pois a autossabotagem a faz acreditar que não é capaz de atingir seus objetivos ou que não é preciso ser feliz.

O indivíduo até ingressa em novos projetos e desafios, porém não consegue seguir em frente até o fim.

Como evitar?

Primeiramente, quanto menor é a interferência do Complexo-R na vida de uma pessoa, menos autossabotagem ocorrerá. Esse mecanismo é uma questão humana, impossível de mudar, mas possível de dominar.

“É preciso viver um dia de cada vez e ter em mente que tudo que é plantado, no futuro será colhido, além de sentir que está fazendo o seu melhor, adquirir novos conhecimentos e seguir o fluxo natural da vida”, aconselha a psicóloga.

Ainda é recomendado ter em mente que não é preciso sistematizar tudo e, acima de tudo, fortalecer a autoestima, construindo uma boa relação de vivência e expectativas.

Dessa maneira, a psicoterapia proporciona caminhos para o fortalecimento do indivíduo e controle da autossabotagem por meio de técnicas e métodos que visam mudar padrões negativos de pensamento.

Fonte

Psicóloga Sarah Rosado Pereira, membro da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) – CRP 163020