Melanoma causa 7 sintomas alarmantes: veja quais

Atualizado em 11 de novembro de 2019

Por: Juliana Toma

DERMATOLOGISTA | CRM 156490

Qualquer alteração na pele é digna de atenção e cuidado, visto que pode ser um sintoma de melanoma. O problema é caracterizado pelo surgimento ou pela alteração do aspecto de uma pinta. Consiste em um câncer de pele que possui alta capacidade de se espalhar, especialmente na raça humana.

O que é melanoma?

É um tumor maligno cuja origem se dá nas células produtoras de melanina, ou seja, nos melanócitos. O que acontece é um desajuste genético que faz com que tais células passem a se reproduzir de forma desordenada.

Apesar de ser um tumor cutâneo, o melanoma pode afetar qualquer tecido, inclusive o de órgãos vitais, como cérebro, vias respiratórias e coração. Portanto, esse tipo de câncer é altamente letal devido à alta capacidade de metástase.

Causas

O principal fator associado ao desenvolvimento de melanoma é a exposição solar intensa e prolongada, visto que a queimadura causada pela luz solar pode desequilibrar as defesas do organismo, ou seja, a produção de melanina é uma defesa contra a invasão de radiação, porém muito frequente ao longo da vida pode causar desajuste dos melanócitos.

Além disso, há fatores de risco que contribuem com o desenvolvimento desse carcinoma:

  • Ter pele clara
  • Ter tendência a ter sardas
  • Apresentar histórico familiar de melanoma ou de outros tipos de câncer
  • Ser do sexo masculino
  • Ter idade entre 30 e 50 anos

Sintomas de melanoma

É preciso ficar atento aos sinais do melanoma:

  • Surgimento de manchas de coloração diferente da pele, como avermelhada, azulada, preta, etc
  • Alteração do tamanho ou forma de uma pinta já existente
  • Manchas assimétricas, com formas irregulares
  • Sangramento no local da pinta ou mancha
  • Coceira
  • Ardor
  • Feridas com dificuldade de cicatrização

Fique atento, portanto, à cor, ao diâmetro, às bordas irregulares e à assimetria de pintas novas ou já existentes

Diante de qualquer alteração destes fatores, procure rapidamente o atendimento médico dermatologista ou oncologista.

Tratamento de melanoma

O tratamento irá se adequar à evolução do melanoma, isto é, em estágio inicial consiste no procedimento cirúrgico com finalidade de remover a pinta, que poderá ser retirada de forma eficaz, já que inicialmente é ainda superficial.

Já em estágio mais avançado, em que o melanoma tenha metástase, a cirurgia é necessária, mas pode não ser suficiente, sendo necessário realizar também quimioterapia, radioterapia e/ou imunoterapia.

Tanto no estágio inicial como no avançado, é essencial realizar exames periódicos para acompanhar a evolução do tratamento, isto é, após a cirurgia deve-se realizar análise histopatológica utilizando a peça cirúrgica que foi removida.

Consequências do melanoma

Ser diagnosticado com melanoma é um impacto para a pessoa afetada, bem como para familiares, afinal trata-se de um câncer de pele com potencial letal. Além disso, o tratamento é desconfortável e doloroso, além de ter consequências como queda de cabelo, fraqueza, interferência na autoestima e estresse.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Juliana Toma

Juliana Toma

Médica formada pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), com residência médica em dermatologia pela UNIFESP, pós-graduação em Oncologia Cutânea pelo Hospital Sírio Libanês e Fellowship em tricologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. CRM 156490