Qual a melhor idade para engravidar e quando buscar ajuda?

Atualizado em 11 de novembro de 2019

Por: Lister Salgueiro

ANDROLOGISTA | CRM 49383

É fato que a mulher está adiando, cada vez mais, a maternidade. Porém, quando ela decide ser mãe, por vezes, as coisas não acontecem tão rapidamente e muitas dúvidas passam a rondar sua cabeça: qual a idade para começar a pensar em engravidar? Será que sou infértil? Em quanto tempo devo procurar ajuda? Quais exames devo fazer?

Existe uma melhor idade para engravidar?

Para começo de conversa. Existe uma idade ideal para engravidar? Sim. No meu tempo de faculdade, os livros falavam em 25 anos. Hoje, se fala que vai até 35 anos.

A mulher tem um relógio biológico de fertilidade., o qual inicia suas atividades aos 12 anos e vai até os 48 anos, em média, já que o estoque de óvulos vai acabando e se deteriorando.

Vamos à matemática. A cada mês, o organismo feminino separa de 500 a 800 óvulos para escolher um único para ovular. Quando tem 15 anos, ela tem 400 mil óvulos. Com 35 anos ela tem 50 mil. Com 37 anos, 25 mil. Com 40 anos, 13 mil. Até acabar.

Só que o problema maior é a qualidade destes óvulos. Para se ter uma ideia, a cada dez óvulos que uma mulher de 25 anos produz, três não têm qualidade, ou seja, vão abortar, não será possível engravidar ou ainda terão algum problema. Com 40, a cada dez, oito não são de qualidade.

Agora, cada caso é um caso: existem mulheres mais velhas que aparentam menos idade, o que pode significar que o ovário dela é mais jovem, e também o contrário, mulheres de 30 que aparentam 40 e tem um ovário envelhecido.

Quando procurar ajuda médica?

Se a mulher tiver 35 anos de idade e relações sexuais frequentes (sem método anticoncepcional) e mesmo assim não engravidar em um ano, deve buscar ajuda. Já para as com mais de 35 anos e os mesmos padrões descritos acima, o prazo é de seis meses. Quanto mais cedo se descobrir o problema, mais fácil.

Felizmente, a medicina oferece muitas alternativas atualmente, como coito programado, fertilização in vitro, ovodoação e barriga de aluguel. E só avança: reprogramação de DNA, óvulo artificial do mundo e muitas pesquisas sobre envelhecimento, reprogramação celular e células-tronco.

Acredito que em dez anos a medicina estará uma revolução só, trazendo ainda mais esperança para as pessoas que desejem engravidar.

Por fim, levar uma vida equilibrada é fundamental. Fumo, bebida, drogas, obesidade, cirurgias, infecções genitais e estresse contribuem para a baixa fertilidade. Porém, a genética ainda é predominante.

Em caso de dúvidas e dificuldades para realizar seu desejo de ser mãe, procure seu médico.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde