Maneiras de escolher o sexo do bebê: métodos científicos, crenças e mais

Atualizado em 11 de novembro de 2019

Por: Lister Salgueiro

ANDROLOGISTA | CRM 49383

Da febre da Tabela Chinesa, passando pelos métodos empíricos e científico, muitos pacientes dizem não ter predileção pelo sexo da criança, mas o fato é que todos se animam com o assunto, visto o sucesso do “Chá Revelação”.

Há maneiras de escolher o sexo do bebê cientificamente comprovadas, assim como aquelas que permeiam a cultura popular. Entenda cada uma:

Como escolher o sexo do bebê?

Quem estabelece o sexo do bebê são os genes contidos no cromossomo Y ou X dos espermatozoides, combinados por um cromossomo materno, que é sempre X. Se o espermatozoide tiver o X, nascerá uma menina (XX), e se tiver o Y, nascerá um menino (XY).

Os tempos de encontro com o óvulo e as características físico-químicas determinam qual espermatozoide penetrará primeiro no óvulo. Os que contêm o Y são mais leves, mais rápidos e menos resistentes, já os com o cromossomo X são mais pesados, mais lentos e mais resistentes.

Se a relação sexual ocorrer exatamente no dia da ovulação, as chances são maiores de se ter um menino, pois os espermatozoides Y são mais rápidos. No entanto, se a relação acontecer até dois dias antes da ovulação, provavelmente será uma menina pois os espermatozoides X são mais resistentes, aguardando a ovulação. Trata-se de uma maneira empírica e não garantida de escolher o sexo da criança.

Como descobrir o sexo do bebê?

A ciência oferece três técnicas laboratoriais, ligadas à fertilização in vitro, bastante seguras para determinar o sexo do bebê antes da concepção, sendo que a legislação brasileira apenas permite a centrifugação.

A título de conhecimento, vamos a elas:

Biópsia Embrionária

Na técnica Biópsia Embrionária, primeiro se faz uma biópsia de uma célula retirada do embrião, que é analisada geneticamente e, então, colocam-se os embriões do sexo desejado. Esse exame em si é indicado para verificar alterações como síndromes.

A chance de acerto é de 100%, porém a técnica de sexagem, que é apenas observar o sexo do bebê, ainda é proibida no Brasil.

Técnica de Microsort

Os espermatozoides X e Y são marcados e separados. Então, são escolhidos os do sexo desejado. Essa técnica só é feita por uma clínica nos Estados Unidos o sêmen deve ser enviado para lá. No Brasil, a técnica é permitida apenas em animais.

Separação Centrifugal

Método para escolher o sexo do bebê permitido pela legislação brasileira, consiste em submeter os espermatozoides a uma centrifugação que separar as células do líquido ejaculatório. Então, os espermatozoides são colocados em meio de cultura e nadam em direção à superfície. Os que estão na parte de cima são Y (meninos) e os de baixo são X (meninas).

Tabela Chinesa e outras crenças

O que é a famosa Tabela Chinesa?

É um método, baseado na medicina oriental, que calcula a gravidez com a possibilidade de determinar o sexo do bebê. A Tabela Chinesa voltou à moda devido à versão 2019.

Um estudo científico da Suécia chegou a apontar eficácia em 60% dos casos, porém convenhamos que 60% de um evento que, naturalmente, teria a probabilidade de ocorrer 50% das vezes não é lá muito confiável.

Crenças antigas

Antigas crenças dizem que a mulher que quer ter um menino deve ingerir bastante comida salgada e carne vermelha. Já a que deseja ter uma menina deve comer sobremesas com creme ou chantilly. Por fim, a análise da fase da lua e do mapa astral no dia da ovulação também pode predizer o futuro sexo da criança.

Contudo, esses métodos na verdade só analisam certas tendências.

Haja surpresas no ‘Chá Revelação’!

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Lister Salgueiro

Lister Salgueiro

Médico Andrologista, Ginecologista e especialista em Medicina Reprodutiva, formado pela Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e no Centro de Ciências Médicas e Biológicas de Sorocaba. É diretor clínico e sócio-proprietário da Clínica Fértilis de Medicina Reprodutiva, em Sorocaba (SP) e autor do livro "Andropausa: Reposição Hormonal Masculina", Editora Roca.